Todo domingo, com os artigos de Cacá Diegues

R$ 56,00

Obrigado! Enviado com sucesso.

Problema ao enviar, tente novamente.

No livro Todo domingo, com os artigos de Cacá Diegues, poderão ser saboreados os artigos de Diegues publicados no jornal O Globo, entre 2010 e 2017. Embora seu autor seja um dos mais sólidos cineastas do país, este não é um livro de cinema. “Este é um livro sobre o Brasil”, resume o crítico de cinema Rodrigo Fonseca, organizador da publicação. As reflexões de Diegues podem partir de notícias, leituras e filmes, ou ainda de um pênalti perdido, de eleições, ou de qualquer outro lugar que o instigue a analisar e escrever sobre a identidade do povo brasileiro. São assuntos do cotidiano, de política e economia, de cultura e comportamento, além das esquisitices, dos TOCs e das belezas que fazem o país ser o que é. Em seus artigos, o autor despe seus textos de qualquer tom acadêmico e exercita uma crítica da razão irônica, numa espécie de bate-papo com o leitor de uma manhã de domingo.

Os textos que compõe este livro prolongam não somente o desejo de pensar o Brasil, mas também refletem a preocupação em imaginá-lo e reinventá-lo. [...] Este livro é, sobretudo, um projeto de resistência contra o empobrecimento do debate, da língua, do ofício de escrever. E gera o mesmo encantamento que permeia a obra cinematográfica de Carlos Diegues.” – Walter Salles

Sobre o autor
Um dos mais respeitados intérpretes do Brasil, o cineasta, produtor e escritor Cacá Diegues traduziu em filmes a identidade social, política e cultural do povo brasileiro. Alagoano que mora no Rio de Janeiro desde criança, e um dos fundadores do Cinema Novo, Diegues foi indicado três vezes à Palma de Ouro do Festival de Cannes, à qual concorreu com Bye bye Brasil (1980), Quilombo (1984) e Um trem para as estrelas (1987). Realizou 37 filmes, entre curtas, médias e longas-metragens. Com filmes exibidos comercialmente em todos os continentes, participou das seleções oficiais dos mais importantes festivais internacionais de cinema, como Cannes (onde também foi membro do Júri, em 1981 e 2010), Veneza, Berlim, Toronto, Locarno, Montreal, San Sebastián e Nova York. Entre seus filmes premiados no exterior estão Orfeu, eleito melhor filme na Mostra de Cartagena, em 2000, e O maior amor do mundo, vencedor do Gran Prix des Amériques, em Montreal, em 2006. No Brasil, um de seus maiores fenômenos de bilheteria, Xica da Silva (1976), que anunciava a volta da alegria democrática, conquistou o troféu Candango de melhor filme e de melhor diretor no Festival de Brasília. Tieta do agreste (1996) e Deus é brasileiro (2002), adaptados de grandes obras da literatura nacional, também figuram entre os filmes de maior público. Em 1998 recebeu do governo francês o título de “Officier de l’Ordre des Arts et des Lettres” e foi agraciado com a medalha da Ordem de Mérito Cultural, outorgada pelo governo do Brasil, em 2001. Cacá Diegues tem outros nove livros publicados e, desde 2010, escreve regularmente artigos para jornal O Globo.

Ficha Técnica
Autor Cacá Diegues
Organizador Rodrigo Fonseca
Idioma Português
Páginas 352
ISBN 9788555910388
Capa Mariana Bernd
Encadernação Brochura
Formato 14 x 21 cm
Ano 2017

Todo domingo, com os artigos de Cacá Diegues
Todo domingo, com os artigos de Cacá Diegues
Todo domingo, com os artigos de Cacá Diegues
Todo domingo, com os artigos de Cacá Diegues
Todo domingo, com os artigos de Cacá Diegues
Todo domingo, com os artigos de Cacá Diegues

Nome:

Email:

Estado:

Cidade:

Data de nascimento:

/ /

Áreas de Interesse: